550 mulheres processam Uber por terem sido atacadas por motoristas – Mundo

Tapume de 550 mulheres norte-americanas apresentaram esta quarta-feira uma ação contra a empresa de transporte Uber, por terem sido agredidas, inclusive sexualmente, por motoristas quando estavam dentro de veículos contratados através desta plataforma.

O processo foi apresentado nos tribunais de São Francisco, no Estado da Califórnia, onde a Uber está sedeada, divulgou em transmitido o escritório de advogados ‘Slater Slater Schulman, LLP.

“As passageiras foram sequestradas, agredidas sexualmente, espancadas, violadas, perseguidas, assediadas e atacadas por motoristas da Uber, designados através da emprego da empresa”, explicaram os advogados.

Segundo o processo, a empresa de São Francisco estava consciente de que alguns dos seus motoristas estavam a agredir sexualmente e a violar passageiros do sexo feminino desde 2014, mas, apesar disso, os “predadores sexuais” que trabalham para a Uber continuaram a lutar passageiros do sexo feminino até hoje.

A plataforma de transporte há anos que enfrenta a Justiça pelo comportamento ilícito dos seus motoristas, principalmente por agressões a mulheres.

Na última edição do seu relatório de segurança, divulgado no início de junho, a Uber disse ter recebido 3.824 denúncias de agressão sexual grave em 2019 e 2020, variando de ósculo não consensual a violação. Levante número é 38% menor do que o registado entre 2017 e 2018.

Esta segunda-feira foi divulgado que o ex-lobista da Uber Mark MacGann está por trás da divulgação de documentos da plataforma de veículos que revelaram práticas controversas da empresa em todo o mundo, divulgadas numa investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação.

Em transmitido, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na {sigla} do consórcio em inglês) explicou que o ex-lobista da Uber na Europa ‘vazou’ 18,69 gigabytes de e-mails, mensagens de texto e documentos internos da plataforma eletrónica de partilha de veículos para o jornal britânico ‘The Guardian’.

Os documentos, segundo adiantou a filial EFE, foram compartilhados pelo jornal com o ICIJ e a sua rede de ‘media partners’ internacionais.

Os documentos ‘vazados’ mostram que diretores da Uber tentaram influenciar políticos em todo o mundo para obter favores, negociaram contratos de investimentos com oligarcas russos, que agora são intuito de sanções, e aproveitaram-se da violência contra os condutores da plataforma usando-a em seu obséquio.


Manancial: https://www.cmjornal.pt/mundo/pormenor/550-mulheres-processam-uber-por-terem-sido-atacadas-por-motoristas