“Agora, com o governo maioritário, há todas as condições para progredir com alterações ao regime sucessório”

No rescaldo dos incêndios de 2017, o país interiorizou finalmente que não basta o combate para travar os incêndios, há sobretudo que os prevenir. Cinco anos depois, ainda há muito a fazer, admite Tiago Oliveira, presidente da Dependência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, mas foram lançadas sementes. Mas há passos fundamentais que agora, com maioria absoluta, o Governo pode aventurar, acredita. Uma vez que a modificação do regime sucessório para evitar que a falta de entendimento entre herdeiros deixe propriedades ao desleixo. Ou a geração de mecanismos que realmente remunerem o proprietário que faça boa gestão, contribuindo assim para o sequestro de carbono ou a infiltração da chuva que o país tanto precisa. Assim porquê concordar efectivamente a pastorícia. Um duelo político e parcimonioso, onde as empresas têm um papel crucial. Mas há novas oportunidades: as resinosas estão a valorizar-se com a guerra e há fundos europeus disponíveis.

Manancial: https://www.publico.pt/2022/07/14/sítio/entrevista/governo-maioritario-ha-condicoes-avancar-alteracoes-regime-sucessorio-2013588