Alexandre Poço quer PSD a “repensar forma de eleição” do presidente

34343538

O líder da JSD e recandidato ao missão, Alexandre Poço, defende que o PSD repense a forma de eleição do presidente em diretas e quer esta estrutura autónoma “na traço da frente” do processo de reforma interna do partido.

O Congresso da Juventude Social-Democrata realiza-se entre sexta-feira e domingo, em Almada (Setúbal), e será encerrado pelo presidente do PSD, Rui Rio.

Alexandre Poço, líder da JSD e até agora candidato único (pode ter candidaturas durante a reunião, embora seja pouco provável), faz na sua moção de estratégia global intitulada “Na traço da frente” um diagnóstico crítico da governação socialista, mas também dos resultados recentes do PSD, falando em “pesada roteiro” e “duro golpe” nas legislativas de 30 de janeiro.

“Depois de uma legislatura de estagnação e diferimento de reformas, uma crise sintético serviu para António Costa se livrar dos seus parceiros da primeira hora e governar sozinho. O PSD não conseguiu apresentar a opção reformista que os portugueses exigiam e Portugal precisava. Neste momento de reflexão devemos debutar com uma introspeção. Estrear por olhar para nós”, defende Alexandre Poço.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para o candidato à liderança da JSD, é importante “intensificar a oposição” ao Partido Socialista, “mas é também o momento do PSD olhar para dentro de portas e proceder a reformas que o tragam para a traço da frente do combate político no séc. XXI”.

“Cabe à JSD impelir o PSD a reinventar-se para estar na traço da frente do combate à governação socialista e na traço da frente da opção política em Portugal”, apela.

Na vertente “da urgente modernização e reforma interna do PSD” que preconiza, Alexandre Poço inclui “repensar a atual forma porquê o PSD elege os seus órgãos nacionais, em vigor desde 2007”.

“A implementação de eleições diretas permitiu que todos os militantes sejam chamados a pronunciar-se sobre o líder que pretendem para o partido. O aumento da base democrática do presidente do PSD foi uma transformação positiva, que acarretou, todavia, o aumento das piores práticas de caciquismo e simultaneamente ‘matou’ os congressos nacionais”, lamentou.

Reativar eventos presenciais que não se realizaram nos últimos anos devido à pandemia de Covid-19 – porquê a tradicional Universidade de Verão da JSD, que habitualmente marcava a rentrée política do partido, e que quer de volta já oriente ano -, alargar e simplificar as formas de filiação no partido e modernizar a informação política são outras das ideias que constam na moção de Alexandre Poço.

“O PSD deve apostar em reinventar a forma porquê comunica com os portugueses. A informação política desenvolveu-se a uma velocidade vertiginosa, mas, uma vez mais, o nosso partido não teve capacidade para a seguir”, lamentou, defendendo uma maior aposta da JSD em ações do chamado ‘marketing de guerrilha’, quer em cartazes, quer em ações de rua.

Com a maioria absoluta do PS, o deputado e membro por inerência da Percentagem Política Pátrio do PSD defende que “a JSD tem de intensificar o combate político, o escrutínio e a fiscalização da atividade do governo, sempre com coragem e avidez”.

“Além do trabalho que desenvolvemos no parlamento com as intervenções e propostas da JSD, temos de prometer que a oposição se faz também nas ruas, nas escolas, no ensino superior, junto das forças vivas da sociedade social”, apela.

Na sua moção, Alexandre Poço recorda que as europeias de 2024 serão as próximas eleições a disputar pelo partido.

“Estas eleições serão um momento de avaliação: por um lado, ao desgaste de um Governo que se prevê autofágico, mais preocupado com a sucessão de Costa do que em resolver os problemas dos portugueses. Por outro lado, serão um barómetro relevante para atestar a capacidade de o PSD apresentar uma solução credível, claramente opção e assumidamente reformista”, afirmou.

A moção de 28 páginas aborda a perspetiva da JSD nas várias áreas da governação, porquê fiscalidade, habitação, saúde, instrução, mercado laboral ou cultura, e os desafios internos desta estrutura autónoma do PSD, que passam pelo reforço da sua digitalização.

O candidato quer também debutar a preparar os 50 anos da JSD – que se completarão em 2024 -, propondo que as comemorações se iniciem um ano antes, iniciando-se em julho de 2023.

Leia também:

  • O massacre de Bucha e Alexandre Guerreiro

  • O que (não) se sabe sobre o ataque à Sonae

  • Exegeta pró-Putin defende “desucranianização”

  • “Estamos a dar-lhes uma maçada. É o término de Putin”

Leia também:

  • AR arranca com touradas, eutanásia e salários

  • 13h. Ratificado por unanimidade invitação a Zelensky

  • Montenegro: “Sou capaz de unir o PSD”

  • 12h. Montenegro avança para ser primeiro-ministro

Leia também:

  • Iniciativa Liberal quer término subitâneo das máscaras

  • PCP pede investigação “a situações” em Bucha

  • Parlamento aprova invitação a Zelensky. PCP contra 

  • AR prepara-se para concordar invitação a Zelensky 

Leia também:

  • As notícias das 4h

  • 3h. Petróleo: 120 milhões de barris libertados

  • 2h. Uma semana de recolher obrigatório em Hostomel

  • Envolvente de trabalho saudável “é fundamental”

Manancial: https://observador.pt/2022/04/07/alexandre-poco-quer-psd-a-repensar-forma-de-eleicao-do-presidente/