António Félix da Costa é 6.º na primeira de duas corridas em Roma no Mundial de Fórmula E e conquista mais oito pontos

GettyImages 1239860957 scaled

.beginning-of-articles p {
background: #f3f3f3;
padding: 20px;
font-size: 16px;
}
body#dark .beginning-of-articles p {
background: #262626;
}

Tem aproximação livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A regular do Mundial de Fórmula E tem sido a inconstância: em três corridas, existiram três vencedores diferentes e nove pilotos a subir ao pódio, ou seja, ninguém ficou nos três primeiros classificados em mais do que uma ocasião. Depois de não ter conseguido qualquer ponto na Arábia Saudita e de ter carimbado um quarto lugar no México, António Félix da Costa chegava à primeira prova da dupla jornada de Roma com uma crédito cautelosa.

“Acredito que vamos dar mais um passo competitivo com o nosso sege. A equipa está muito motivada e todos queremos muito lucrar. Há três ou quatro equipas muito fortes neste momento mas a DS Techeetah também o é e vamos lutar para mostrar isso leste termo de semana. É uma jornada dupla que exige máxima concentração e foco para estarmos fortes em ambas as corridas”, disse o piloto português. Félix da Costa confirmou a expectativa na qualificação, atingindo um 4.º lugar na grelha de partida que foi o melhor apuramento da temporada até agora, e garantiu que o objetivo seria chegar ao pódio.

O início da retoma: António Félix da Costa termina em quarto no México e soma primeiros 12 pontos da quadra

“Estou feliz com leste resultado mas a verdade é que podia ter atingido as meias-finais e posicionar-me ainda melhor na grelha de partida”, atirou, comentando uma qualificação onde Stoffel Vandoorne, da Mercedes, alcançou a pole-position. Na corrida, no Rotação Cittadino dell’EUR, a primeira volta trouxe desde logo as bandeiras amarelas e um safety-car na sequência de um despiste de Maximilian Günther que provocou uma série de choques em prisão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A liderança começou por ser dividida entre os dois Mercedes, de Vandoorne e Nyck de Vries, e o mais inesperado Robin Frijns. António Félix da Costa, porém, mantinha-se à margem do pódio e sempre muito próximo do grupo da frente. O discurso da corrida trouxe uma prestação extraordinária de Mitch Evans, o neozelandês da Onça que saiu de 9.º e acabou a lucrar a prova, alcançando a segunda vitória em Roma num desfecho que só ficou assegurado mesmo nos últimos instantes.

Frijns ficou em segundo, Vandoorne fechou o pódio, De Vries abandonou e António Félix da Costa já não conseguiu melhor do que a sexta posição, um lugar supra de Edoardo Mortara, o ainda líder da classificação universal. Com o sexto lugar na primeira corrida de Roma, antes da segunda prova já leste domingo, o piloto português carimbou mais oito pontos mas caiu para a 12.ª posição do Mundial de Fórmula E.

He does it again at the #RomeEPrix ????@mitchevans_ returns to the top step and WINS where he picked up his first Formula E victory! ????#THISISBOSS @HUGOBOSS pic.twitter.com/4XgwB0BiuA

— ABB FIA Formula E World Championship (@FIAFormulaE) April 9, 2022

Leia também:

  • O que (não) se sabe sobre o ataque à Sonae

  • O massacre de Bucha e Alexandre Guerreiro

  • Crítico pró-Putin defende “desucranianização”

  • “De Lisboa a Vladivostok.” O sonho idoso de Putin

Leia também:

  • Max renovou até 2028 mas tem “cláusula de fuga”

  • Nona edição do “Leiria sobre rodas” em outubro

  • Português nomeado diretor de corridas de Fórmula 2

  • Joaquim Rodrigues sexto em Abu Dhabi

Leia também:

  • Cinto de vencedor de MMA escapa a bombardeio

  • Dirigentes do Flamengo defendem Paulo Sousa

  • Leclerc na “pole position” da Austrália

  • Benfica e Sporting em direto na Rádio Observador

Leia também:

  • As notícias das 15h

  • As filhas do pai

  • BD do dedo portuguesa “O Sarilho” com crowdfunding

  • Hong Kong: John Lee oficializa candidatura


Natividade: https://observador.pt/2022/04/09/antonio-felix-da-costa-e-6-o-na-primeira-de-duas-corridas-em-roma-no-mundial-de-formula-e/