António Lobo Antunes recebe Honoris Pretexto no Peru e tem novo romance em Outubro

António Lobo Antunes recebe, no dia 22 de Julho, o doutoramento Honoris Pretexto, pela Universidade Pátrio Mayor de San Marcos, em Lima, Peru, anunciou esta quarta-feira a editora do redactor, acrescentando que o seu novo romance, O Tamanho do Mundo, será publicado em Outubro.

O redactor, de 79 anos, recebe o doutoramento Honoris Pretexto no mesmo dia em que abre a Feira Internacional do Livro de Lima, que oriente ano tem Portugal uma vez que país convidado de honra.

Esta realce foi outorgada a outras personalidades, entre as quais o Papa João Paulo II (1920-2005), o macróbio Presidente de França general Charles de Gaulle (1890-1970), o ex-secretário-geral da ONU Ban Ki-Mon (1944) e o poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973).

A Universidade Nacional Mayor de San Marcos, fundada em 1551, por ordem do imperador Carlos V, é a mais antiga das Américas contando agora com mais de 2000 professores e perto de 35 milénio alunos, esclarece a editora do redactor. A universidade foi frequentada por personalidades uma vez que o poeta César Vallejo (1892-1938), os romancistas Alfredo Bryce Echnique, 89 anos, e Mario Vargas Llosa, 86 anos, que recebeu em 2010 o Prémio Nobel da Literatura.

A proposta de atribuição da realce ao responsável de Memória de Elefante foi “assinada por 22 professores de literatura e teve uma vez que primeiro subscritor o presidente da Ateneu Peruana da Língua, Marco Martos”, tendo sido “aprovada pela plenário da Faculdade de Letras e Ciências Humanas, passando depois pela Parlamento da Universidade, onde também teve aprovação unânime”.

“Todos os procedimentos se cumpriram num prazo recorde, o que, segundo uma enunciação institucional da Cátedra de História da Cultura Portuguesa aí existente, ‘dá ainda mais relevo à realce e mostra muito uma vez que a obra de António Lobo Antunes é conhecida e reconhecida na América latina’”, lê-se no mesmo transmitido.

Na solução assinada, a reitora da universidade, Jeri Ramón Ruffner, justifica esta atribuição por a obra de António Lobo Antunes valer “uma radical renovação do estilo narrativo em língua portuguesa”, testemunhando “as contradições da pós-modernidade e mostrando um saliente espírito crítico, profundamente marcado pela memória da guerra colonial na qual combateu”, cita a editora. Segundo a mesma solução, oriente doutoramento Honoris Pretexto justifica-se também por António Lobo Antunes ser “sempre mencionado uma vez que candidato ao Prémio Nobel da Literatura”, referem as Publicações D. Quixote, que têm publicado a sua obra.

À protocolo de entrega do diploma e respectiva medalha, no salão sublime da universidade, deverá ver o ministro português dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho.

Os Cus de Judas em teatro

No pavilhão português da Feira Internacional do Livro de Lima, será apresentada uma peça de micro-teatro baseada no livro Os Cus de Judas, de Lobo Antunes, adaptada e dirigida pela actriz peruana Yvonne Ydrogo, que se ofereceu voluntariamente para encaminhar a peça, por ser uma grande admiradora da obra do redactor português, escreve a D. Quixote.

Em Setembro de 2019, o Patrão de Estado português condecorou Lobo Antunes com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade. Na ocasião, afirmou que o redactor “não precisava” do prémio Nobel da Literatura, porque “estava supra” desse láurea e, por isso, “não há que esperar notícias” de Estocolmo.

António Lobo Antunes nasceu em Lisboa, em 1942. Em 2020, foi um dos nomeados para o Prémio Literário Internacional de Dublin, com o livro Até que as pedras se tornem mais leves que a chuva.

Lobo Antunes estudou na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, e especializou-se em Psiquiatria, que exerceu durante vários anos. Mobilizado para o serviço militar, em 1970, embarcou para Angola no ano seguinte e regressou a Lisboa em 1973, experiência que marcou a sua produção literária, iniciada no final dessa dez.

Em 1979, publicou Memória de Elefante e Os Cus de Judas, seguindo-se Conhecimento do Inferno (1980), livros “marcadamente biográficos, e muito ligados ao contexto da guerra colonial”, referiu à escritório Lusa nascente da sua editora. O seu mais recente livro, Léxico da Linguagem das Flores, foi publicado em Outubro de 2020, e é protagonizado pelo comunista Júlio Fogaça (1907-1980). Foi o 36.º título do responsável.

Natividade: https://www.publico.pt/2022/07/13/culturaipsilon/noticia/antonio-lobo-antunes-recebe-honoris-causa-peru-novo-romance-outubro-2013528