Associação quer isenção de taxas para endometriose

Petição inclui licença menstrual e tem mais de 8400 assinaturas

A Associação Portuguesa de Esteio a Mulheres com Endometriose – MulherEndo lançou uma petição que visa implementar uma Estratégia Pátrio de Combate à̀Endometriose e Adenomiose – doenças que se caracterizam pelo propagação de tecido endometrial fora do útero e que podem provocar dores incapacitantes, infertilidade, afetar o sistema estomacal e urinário.

Uma em cada dez mulheres sofrerá destas patologias. Os sintomas variam, mas “a maior queixa é a dor associada à mênstruo”, que pode chegar a ser “incapacitante e impede de caminhar, de ir trabalhar, de fazer o dia a dia”, requerendo medicação verbal ou venosa, descreve Susana Fonseca, presidente da MulherEndo.

A associação quer que seja criada uma licença menstrual. Pode “não ser propriamente uma baixa, mas ser uma licença que permita gerir horários, estar em teletrabalho se as funções o permitirem” ou outras alternativas para quem trabalha ou estuda, explica.

A estratégia passa também pela atribuição do regimento de doença crónica, que permite isenção de taxas moderadoras e benefícios fiscais, assim porquê a comparticipação da medicação.

A MulherEndo defende que seja instituído um dia vernáculo, para aumentar a sensibilização para uma doença que ainda é “desconhecida e muito desvalorizada, tanto pela sociedade em universal porquê pela classe médica”, diz a dirigente.

Ontem, a petição ia em 8422 assinaturas. A associação aguarda audiências com os partidos para apresentar as propostas antes de enviar a petição ao Parlamento.


Natividade: https://www.jn.pt/vernáculo/associacao-quer-isencao-de-taxas-para-endometriose-14859083.html