Canadá aumenta despesa militar em oito milénio milhões de dólares – Guerra na Ucrânia

O Canadá vai aumentar a sua despesa militar em oito milénio milhões de dólares (7,35 milénio milhões de euros) em cinco anos devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, segundo o orçamento do Governo Trudeau, revelado na quinta-feira.

Um aumento que não lhe permite, porém, atingir a meta de 2% do Resultado Interno Bruto (PIB) solicitada pela NATO (Organização do Tratado do Atlântico-Setentrião).

“Estamos agora a gastar mais com a Resguardo do que tínhamos previsto antes da invasão russa da Ucrânia”, defendeu a ministra das Finanças canadiana, Chrystia Freeland, em conferência de prelo, acrescentando que esta situação constitui “a prenúncio mais grave do mundo na atualidade”.

Tal quantia servirá para melhorar o equipamento das Forças Armadas, substanciar as contribuições do Canadá para os seus principais aliados, entre os quais os da NATO e do Comando da Resguardo Aeroespacial da América do Setentrião (NORAD), e substanciar a cibersegurança do país, explicou o Governo em enviado.

Posteriormente dois anos de pandemia de covid-19 marcados por despesas excecionais do Estado canadiano, Otava planeia, todavia, fechar globalmente os cordões à bolsa.

O país reviu também em baixa a sua previsão de propagação para 2022, fixando-a em 3,9%, em vez dos 4,2% anunciados no outono.

O orçamento para 2022, o primeiro desde a reeleição de Justin Trudeau uma vez que primeiro-ministro, nas legislativas de setembro pretérito, prevê também investimentos significativos na habitação, num país onde a inflação está a atingir níveis nunca vistos nos últimos 30 anos.

Será, por exemplo, proibido aos investidores estrangeiros comprar vivenda no Canadá durante dois anos.

O país, que prevê um défice orçamental de 113,8 milénio milhões de dólares (104,5 milénio milhões de euros) em 2021-2022, deverá atrair mais investimento estrangeiro para permanecer competitivo, considera o Governo.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, mais de 4,3 milhões das quais para os países vizinhos, de concordância com os mais recentes dados da ONU — a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Segundo as Nações Unidas, murado de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a urgência de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da secretária ao desporto.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 43.º dia, causou um número ainda por instituir de mortos civis e militares e, embora admitindo que “os números reais são consideravelmente mais elevados”, a organização confirmou hoje pelo menos 1.611 mortos, incluindo 131 crianças, e 2.227 feridos entre a população social.


Natividade: https://www.cmjornal.pt/mais-cm/especiais/guerra-na-ucrania/pormenor/canada-aumenta-despesa-militar-em-oito-mil-milhoes-de-dolares