Covid-19. Ordem defende uso de anticorpos para proteger as pessoas imunodeprimidas

26046400

O bastonário da Ordem dos Médicos defendeu esta quarta-feira a gestão de anticorpos monoclonais às pessoas com o sistema imunitário deprimido para prevenir a Covid-19, alegando que esse tratamento exclusivamente é feito “tarde demais” em Portugal.

“As pessoas que têm o sistema imunitário em ordinário, que não conseguem produzir anticorpos, têm uma selecção, que são os anticorpos monoclonais neutralizantes, o que está a ser feito em praticamente em todos os países da Europa e que nós não estamos a fazer para proteger essas pessoas”, afirmou Miguel Guimarães, numa audição parlamentar requerida pelo PSD sobre a mortalidade por todas as causas em Portugal.

Respondendo a uma questão da deputada Joana Cordeiro, da Iniciativa Liberal, sobre a mortalidade por Covid-19, o bastonário salientou que essa utilização dos anticorpos em pessoas imunodeprimidas “era uma boa recomendação que os deputados poderiam fazer à Direção-Universal da Saúde“, o que também já foi feito pela Ordem.

Em Portugal, o tratamento da Covid-19 com estes fármacos só está a ser realizado “quando as pessoas já têm a doença, ou seja, tarde demais“, afirmou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De tratado com o bastonário, as pessoas que, por qualquer motivo, tem o sistema imunitário deprimido “não têm à mesma reação às vacinas” contra a Covid-19 e não conseguem produzir os anticorpos necessários para ficarem protegidas contra o coronavírus SARS-CoV-2.

“Temos solução para isso. Pode não ser a melhor solução do mundo, mas é uma boa solução, porque dá uma boa proteção. A vacina destes doentes é fazerem os anticorpos monoclonais que nós damos diretamente à pessoa e que lhes vai dar uma proteção”, assegurou o médico.

Miguel Guimarães salientou ainda que as pessoas transplantadas, com doenças oncológicas que estão a fazer imunossupressores ou com outras patologias que causam imunossupressão, são uma “segmento significativa dos doentes que têm Covid-19 mais grave e que, consequentemente, acabam por morrer”.

Leia também:

  • Os inquisidores em Famalicão

  • Droga. Sala de ‘chuto’ no Porto “não resolve zero”

  • “Fui trabalhar com a minha mãe a dar-me a mão”

  • Morada Reîa: manducar e dançar no areão da Caparica

Leia também:

  • Macau. Varão estagnado por violar confinamento

  • TC compara confinamentos a prisão domiciliária  

  • Ameaço nuclear e pandemias: UE alerta para ameaças

  • Banco de Fomento: crucial medir retorno dos apoios

Leia também:

  • Covid-19: OMS não altera avaliação do vírus

  • Covid-19. Portugal “desempenado” com Europa

  • Monkeypox. OMS reúne na próxima semana

  • Médicos de família manifestam-se neste sábado

Leia também:

  • Incêndio em Palmela já fez 10 feridos

  • “Estamos a montar um festival em 48 horas”

  • SBSR: um roteiro para três dias de concertos

  • AR faz lista de deputados que acumularam pagamento

Nascente: https://observador.pt/2022/07/13/covid-19-ordem-defende-uso-de-anticorpos-para-proteger-as-pessoas-imunodeprimidas/