Darwin acorda águia poupada: Uruguaio anotou os três golos da vitória com o Belenenses SAD – Futebol

Objetivo apanhado com uma vitória justa. Um Benfica em poupanças a pensar na Champions não se livrou de um susto inicial com o Belenenses SAD, mas acabou resgatado pelo mágico Darwin Núñez, responsável dos três golos.
Primeira segmento entretida na Luz. Veríssimo poupou a pensar na movimento a Liverpool (tirou sete titulares que jogaram na 1ª mão, 1-3), ao contrário do Belenenses SAD, que jogou com todas as suas peças (e foram onze, ao contrário do jogo da vergonha da primeira volta) com o sonho de pontuar na Luz e continuar vivo na luta pela manutenção. Surpreendeu logo a furar com o golo de Afonso Sousa, que beneficiou da insensibilidade do médio Taarabt e do desposicionamento da restante resguardo.

O Benfica reagiu, passou a mandar no jogo e a produzir algumas chances para marcar. Darwin e Everton aceleravam o e deixavam os azuis em apuros. Ainda assim, a equipa de Franclim Roble não se limitou à resguardo e teve dois bons remates que deixaram a resguardo encarnada em alerta.


As águias chegariam ao empate através do inevitável Darwin. Taarabt recupera a esfera no meio-campo contrário e entrega para o uruguaio, que desvia Yohan da frente e remata sem hipótese. O desperdício, posteriormente o empate, acentuou-se para o Benfica com bolas ao poste e remates que ora saíam para fora, ora eram desviados por defesas.
O sota não mudou a toada de jogo e o golo da vantagem encarnada adivinhava-se. Everton e depois Lázaro ensaiaram o 2-1, mas Luiz Felipe entrou em ação.

O guarda-redes do Belenenses SAD zero podia fazer quando Taarabt fez um passe perfeito para Darwin disparar sem hipóteses. Quatro minutos depois, o uruguaio fez o hat trick, desta vez com assistência de João Mário.
O resultado praticamente fechado permitiu a Veríssimo dar sota a Taarabt, Everton, Darwin e Otamendi, que devem ser aposta para Anfield Road. É que o sonho de virar a roteiro da Luz ainda mantém viva a esperança de passar às ‘meias’ da liga milionária.



“Não entramos uma vez que queríamos”: Estudo de Veríssimo ao jogo

“Fizemos um bom jogo. Não entrámos uma vez que queríamos e sofremos um golo numa ingresso em falso. Mas nunca perdemos o controlo do jogo”. Foi desta forma que Nélson Veríssimo analisou ontem o triunfo do Benfica sobre o Belenenses SAD, antes da movimento a Liverpool (quarta-feira, 2ª mão dos quartos de final da Liga dos Campeões).

O treinador do Benfica abordou o facto de ter utilizado João Mário e Taarabt em simultâneo: “São jogadores com uma capacidade grande de controlar o jogo com esfera. Ritmos diferentes, mas capacidade para ver o jogo mais primeiro e encontrar soluções que por vezes são difíceis. Fruto disso, os golos que o Darwin fez com todo o valor. Mas a equipa também permitiu que os jogadores tivessem a possibilidade de ter esfera e que descobrissem os espaços. Mas há cá muito da qualidade e do valor dos jogadores.”Veríssimo enalteceu ainda o espeque dos adeptos: “A desejo e o libido de todos é a mesma que a nossa: lucrar todos jogos e ter boas exibições.”

POSITIVO E NEGATIVO

Crédito a toda a prova

São 24 golos em 24 jogos. Uma média fantástica, embora se possa discutir os 3 apontados ao Belenenses SAD no Jamor. Ainda assim, Darwin está em grande e promete outros voos, fora da Luz.

Desperdício
O Benfica não fez um jogo por aí além, mas foi muito superior. Marcou três golos mas podia ter feito, pelo menos, o duplo. Os ferros, o guardião contrário e o engano foram os responsáveis.

Uruguaio deixa alerta a Kloop

Odysseas – Uma resguardo apertada a remate de Camacho e pouco mais.
André Almeida – Fora do lugar no 0-1. Sempre melhor a guerrear do que a proteger.
Otamendi – Fez por ser a voz de comando. Falhou um golo aos 22’. Cumpriu.
Morato – Revinda sem problemas, embora Afonso tenha surgido no seu relâmpago de ação.
Lázaro – Deu sota a Grimaldo. Muito melhor no segundo tempo, com dois remates com muito risco.
Meité – Voltou a mostrar muitas debilidades. Lentidão, desposicionamentos e perdas de esfera. Fraco.
Taarabt – Ultrapassado no golo do Belenenses SAD. Redimiu-se com duas assistências. Perto do golo aos 45’.
João Mário – Zero acrescentou no primeiro tempo. Subiu de rendimento posteriormente o pausa. Grande desmarcação para o 3-1 final.
Everton – Desequilibrador. Atirou uma esfera ao poste no segundo tempo e proporcionou uma grande resguardo.
Darwin – Sempre em subida rotação. Mortífero com o pé recta e com o esquerdo. O Liverpool de Klopp está em alerta para de onde poderá vir o risco na próxima quarta-feira para a Champions.
Diogo Gonçalves – Pouco em jogo. Perto de marcar em dois momentos.
Rafa – Complicativo.
Gonçalo Ramos – Tentou dinamizar o ataque.
Yaremchuk – Zero acrescentou na frente.
Paulo Bernardo – Duas boas recuperações.
Tomás Araújo – Cumpriu.


DARWIN, SEFEROVIC E RODRIGO PINHO NA PORTA DE SAÍDA DA LUZ
O ataque será um dos setores que mais mexidas vai suportar para 2022/23. Darwin tem malas feitas, com o Benfica a esfregar as mãos com uma venda milionária. Seferovic tem mercado e também deve transpor, assim uma vez que Rodrigo Pinho. Já Yaremchuk é aposta, mas se surgir uma boa proposta, o Benfica não fecha a porta à saída. Musa (Boavista) é uma possibilidade para substanciar o ataque das águias.


Manadeira: https://www.cmjornal.pt/desporto/futebol/pormenor/darwin-acorda-aguia-poupada-uruguaio-anotou-os-tres-golos-da-vitoria-com-o-belenenses-sad