Domínio para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto instaura processo depois alegado insulto racista no Olhanense-Rabo de Peixe

30146090

A Domínio para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto (APCVD) anunciou esta segunda-feira ter instaurado um processo com base nos alegados insultos racistas durante o jogo Olhanense-Rabo de Peixe, do Campeonato de Portugal de futebol.

“Face à notícia de insultos de natureza discriminatória e eventuais atos de racismo no jogo entre o Sporting Clube Olhanense — Clube Desportivo Rabo de Peixe, que se realizou ontem no estádio José Arcanjo em Olhão, a recontar para a 6.ª jornada do Campeonato de Portugal Série D, estando em motivo um eventual ilícito de natureza contraordenacional, a Domínio para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto, instaurou um processo para apuramento dos factos e responsabilidades daí decorrentes“, refere a nota da APCVD.

No domingo, o futebolista Edson, do Olhanense, acusou Diogo Andrade, jogador do Rabo de Peixe, de ter proferido um insulto racista, tendo sido expulso quando reclamava, enquanto o clube açoriano rejeita a querela.

“Momentos depois de lhe ter feito falta, sem querer, depois outra falta, quando estávamos na grande extensão, ele disse: ‘seu preto de merda‘”, relatou à dependência Lusa o médio dos algarvios, acrescentando que pelo menos outro jogador do Rabo de Peixe terá ouvido o alegado insulto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O jogador luso-guineense, de 26 anos, explicou que se dirigiu imediatamente ao louvado, Ricardo Góis (Associação de Futebol de Setúbal), para o informar do que se tinha pretérito.

“Fui logo falar com o louvado. Ele disse-me que ia estar vigilante, mas disse-lhe que era racismo e que ele não podia proferir só isso. Ele deu-me amarelo e, depois de eu falar novamente, deu-me o segundo amarelo“, declarou Edson, expulso aos 38 minutos da partida que terminou com vitória do Rabo de Peixe (2-0) e os locais reduzidos a oito jogadores, depois de mais duas expulsões no segundo tempo.

Por ocasião da expulsão de Edson, o encontro ficou interrompido tapume de cinco minutos, com a estrutura e outros jogadores do Olhanense a protestarem com o louvado.

Diogo Andrade, jogador do Rabo de Peixe, não falou depois a partida, mas o diretor desportivo dos açorianos desmentiu a querela.

“Quando aconteceu estava no banco, mas os meus jogadores dizem-me que o termo que o jogador do Olhanense alega não foi o termo que o meu jogador disse. Se acontecesse, seria lamentoso, mas, por aquilo que os jogadores me transmitiram, ninguém diz que a conversa foi dessa forma”, afirmou Hernâni Melo.

O presidente da SAD do Olhanense, Luís Torres, disse à Lusa que o clube ia apresentar um protesto no relatório do jogo e encaminhar a querela para a Federação Portuguesa de Futebol.

A seu pedido, os agentes do Polícia de Segurança Pública (PSP) presentes no Estádio José Arcanjo, em Olhão, registaram a ocorrência.

Leia também:

  • Kherson. O traidor que é a voz da estratégia russa

  • Adstrito de Costa arguido não em 1, mas em 2 casos

  • PS a votos. Duas batalhas quentes (e um segurista)

  • Porquê o cozinheiro de Putin usa o grupo Wagner

Leia também:

  • Autarca culpado de prevaricação pede instrução

  • Sismo de magnitude 3,7 sentido nos Açores

  • Detidos dois suspeitos de tráfico de droga

  • PS critica incisão de 140 milhões no Projecto da Região

Leia também:

  • Esteja vigilante aos idosos da sua vida

  • Açores tem “autonomia política”, lembra Bolieiro

  • Governo tenciona reduzir portagens em 2023

  • Marques Mendes: “PCP caminha para a irrelevância”

Leia também:

  • 4h. Trump: “Grande pregão” a 15 de novembro

  • 3h. Pelosi admite considerar lugar de parlamentário

  • 2h. Candidatura de Trump pode estar por horas

  • Donetsk é “epicentro da maior loucura” dos russos

Nascente: https://observador.pt/2022/11/08/autoridade-para-a-prevencao-e-o-combate-a-violencia-no-desporto-instaura-processo-apos-alegado-insulto-racista-no-olhanense-rabo-de-peixe/