Euribor a três meses também já está em terreno positivo

A Euribor a três meses atingiu esta quinta-feira valor positivo, depois de mais de sete anos em terreno negativo. O prazo mais pequeno das taxas utilizadas na maioria dos empréstimos à habitação junta-se à Euribor a seis e 12 meses, que acumulam ganhos apreciáveis em terreno positivo a algumas semanas.

Com oriente salto da Euribor a três meses, que ainda pode tolerar algumas flutuações nos próximos dias, acabou o período de taxas negativas nos empréstimos à habitação.

Neste tipo de crédito, a descida aquém de zero teve ainda a particularidade, imposta pelo Banco de Portugal (BdP), de os bancos serem obrigados a descontar esse valor no spread (margem mercantil) que acresce à Euribor.

Assim, ao longo dos últimos anos, a fórmula de operação da taxa, que é de Euribor + spread, passou a ser a de Euribor –spread, levando alguns clientes particulares, com margens mais baixas, a não remunerar juros ou até mesmo a receber qualquer verba do banco, porque a taxa final era negativa. Mas esse “desconto” chegou ao término, agora também nos contratos associados à Euribor a três meses.

A Euribor a seis meses, que ultrapassou o patamar dos 0% a 6 de Junho, fixou-se esta quinta -feira em 0,448%, aproximando-se dos 0,5%.

O prazo a 12 meses, o mais utilizado nos contratos mais recentes, iniciou em Abril uma valorização acelerada, que já a colocou supra de 1%, a que se seguiu uma pequena expurgação, mas está novamente muito próxima desse valor. Esta segunda-feira, fixou-se em 0,952%.

A subida das taxas Euribor tem revérbero directo nos novos empréstimos, e gradualmente nos restantes, uma vez que são revistos periodicamente, a cada três, seis e 12 meses, conforme o prazo utilizado.

As Euribor, fixadas diariamente no mercado monetário, têm subido de forma mais acentuada do que se perspectivava no início do ano. A aceleração é explicada pela guerra na Ucrânia, na sequência da invasão russa, que está na origem de um agravamento dos preços de um conjunto de bens, gerando uma pressão inflacionista que obrigou o Banco Médio Europeu a mudar a sua política monetária. O BCE deverá realizar o seu primeiro aumento de taxas, em 11 anos, na reunião do próximo dia 21 de Junho, em 0,25%, esperando-se uma subida mais expressiva em Setembro.

Com o agravamento das taxas no crédito e juros dos depósitos perto do zero, e tendo em conta ainda o novo nível da inflação, a amortização de empréstimos pode gratificar.

Manancial: https://www.publico.pt/2022/07/14/economia/noticia/euribor-tres-meses-tambem-ja-terreno-positivo-2013622