Falta de poder de compra dos guineenses agravou-se com Covid-19 e guerra na Ucrânia – África

O presidente da Associação dos Consumidores de Bens e Serviços da Guiné-Bissau considerou oriente sábado que a falta de poder de compra dos guineenses agravou-se com a pandemia e com a guerra na Ucrânia, exortando as autoridades a tomarem medidas.

“Nós sabemos que os guineenses já não tinham poder de compra, o que se agravou com a situação da Covid-19 e da guerra na Ucrânia e lançamos vários apelos ao Governo, fizemos várias denúncias, diligências com entidades competentes, incluindo com o gerente de estado, para que se possa inteirar da difícil situação que a população está a passar neste momento”, afirmou Bambo Sanhá, que dirige a associação de resguardo dos consumidores guineense.

Em entrevista à Lusa, o responsável explicou que houve um aumento generalizado dos preços, incluindo do pão, que é o muito nutrir mais alcançável a toda a população.

“Aumentou a inópia, a pobreza, temos cidadãos que estão a ir dormir sem manducar. A maioria da população vive do dia a dia, mesmo aqueles que são funcionários públicos, os salários não são suficientes com oriente aumento do dispêndio de vida. É insuportável”, lamentou o dirigente.

O presidente da Associação dos Consumidores de Bens e Serviços defendeu que “é urgente” vedar a especulação dos preços dos produtos de primeira premência e que o Governo deve adotar medidas para que a população “possa ter espaço de manobra em termos de poder de compra” e “entrada aos produtos”.

“O bolso do consumidor guineense está cada vez mais apertado com a perda de poder de compra e isso põe em culpa, em risco, a segurança nutrir das nossas populações, porque quem não tem poder poupado não terá condições de se nutrir em qualidade e quantidade”, disse, salientando que isso deve ser combatido em primeiro lugar pelo Governo.

Bambo Sanhá denunciou também o que considera ser um aproveitamento de alguns operadores económicos e comerciantes, que de forma abusiva e sob pretexto de rutura de estoques, fazem um “fidedigno roubo ao bolso do consumidor”.

Dando porquê exemplo o aumento do pão, que está a ser justificado com a guerra da Ucrânia, o responsável sublinhou que a farinha de trigo já estava no arrecadação muito antes de o conflito ter começado.

Desde o início da pandemia da covid-19 que os preços dos bens alimentarem têm vindo a aumentar na Guiné-Bissau, nomeadamente peixe, músculos, fruta, vegetais, pão, óleo, açúcar, farinha e arroz, que é a base nutrir dos guineenses.


Manancial: https://www.cmjornal.pt/mundo/africa/pormenor/falta-de-poder-de-compra-dos-guineenses-agravou-se-com-covid-19-e-guerra-na-ucrania