Juros mais caros – Armando Esteves Pereira

A lesma inflacionista que já sentimos de forma acentuada quando vamos às compras no supermercado vai ter reflexos nas taxas de rendimento. As prestações do crédito à habitação já começam a subir, ainda de forma ligeira, mas nos próximos meses a pressão será muito maior. A subida dos preços está a provocar tensões para a subida das taxas de rendimento do BCE. E quando isso intercorrer a subida da prestação mensal do crédito vai ser muito maior.
A risco dura do Banco Medial Europeu (BCE) defende o término das compras de dívida no verão para terebrar caminho a um aumento das taxas de rendimento no terceiro trimestre, devido à subida acentuada da inflação.

A guerra na Ucrânia acelerou a subida de preços e colocou em cima da mesa a antecipação da subida das taxas de rendimento que já se previa intercorrer no final deste ano, ou no início de 2023. Nos últimos anos, graças ao BCE, vivemos um período de taxas historicamente muito baixas. Essa ensejo está a mudar e vai ser desafiante para empresas e famílias endividadas, mas também para as Finanças Públicas.

Probabilidades
Muitas famílias terão graves problemas com a subida dos juros, principalmente as que se endividaram até ao limite para comprar casas caras nos últimos anos. Mas toda a gente devia saber que no prazo longo de um crédito à habitação, a verosimilhança de subida de juros é elevada.


Manadeira: https://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/armando-esteves-pereira/pormenor/20220409-0005-juros-mais-caros