Países da AIE libertam 120 milhões de barris de petróleo das suas reservas

36826148

Os membros da Escritório Internacional de Pujança (AIE) decidiram libertar 120 milhões de barris de petróleo das suas reservas estratégicas, para combater a volatilidade de preços causada pela guerra na Ucrânia, divulgou esta quarta-feira o organização.

Dos 120 milhões de barris a serem lançados para o mercado, 60 milhões são dos Estados Unidos.

O diretor do AIE, Fatih Birol, adiantou esta informação, mas explicou que outros detalhes específicos sobre os números afetos a cada país serão comunicados posteriormente.

O proclamação surge em seguida a decisão dos membros da AIE, revelada na sexta-feira, de que iriam libertar mais petróleo das suas reservas estratégicas para combater a volatilidade de preços causada pela guerra na Ucrânia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Escritório Internacional de Pujança alerta para risco da “maior crise de fornecimento” de petróleo em “décadas”

Um dia antes, os Estados Unidos tinham anunciado a libertação de um milhão de barris de petróleo por dia da suplente estratégica do país, durante seis meses, numa tentativa de travar a subida de preços. A medida representa um totalidade de 180 milhões de barris.

No mês pretérito, os países da AIE já tinham prometido lançar no mercado muro de 62,7 milhões de barris das suas reservas, sublinhando que poderiam ir mais longe.

Os membros da AIE, que reúne 31 países, incluindo Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Itália e Reino Uno, têm, no totalidade, reservas de 1,5 biliões de barris.

A invasão russa da Ucrânia provocou um potente aumento do preço do petróleo, quando os países produtores continuam a restringir a sua oferta.

Os membros da OPEP+ (confederação constituída pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e 10 outros produtores, incluindo a Rússia) têm recusado até agora aumentar significativamente a produção para tranquilizar o mercado, limitando-se a uma subida gradual de 400.000 barris por dia todos os meses.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.563 civis, incluindo 130 crianças, e feriu 2.213, entre os quais 188 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a verosimilhança de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,2 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que muro de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia também:

  • O massacre de Bucha e Alexandre Guerreiro

  • O que (não) se sabe sobre o ataque à Sonae

  • Comentador pró-Putin defende “desucranianização”

  • “Estamos a dar-lhes uma sova. É o termo de Putin”

Leia também:

  • Bancos russos minimizam sanções

  • Vídeo mostra trincheiras perto de Chernobyl

  • EUA vão fornecer mais mísseis a Kiev

  • Hungria disposta a remunerar gás russo em rublos

Leia também:

  • Putin quererá “Eurásia de Lisboa a Vladivostok”

  • Acionado mecanismo de Estado de recta à Hungria

  • Crematórios móveis. O que se sabe sobre eles?

  • PCP pede investigação “a situações” em Bucha

Leia também:

  • 5h. Costa apresenta hoje programa do Governo

  • 4h. Hostomel. Começa agora recolher obrigatório

  • 3h. Petróleo: 120 milhões de barris libertados

  • 2h. Uma semana de recolher obrigatório em Hostomel

Natividade: https://observador.pt/2022/04/07/paises-da-aie-libertam-120-milhoes-de-barris-de-petroleo-das-suas-reservas/