Portugal precisa de continuar “urgentemente” no combate à depravação estrangeira, alerta OCDE

27500223

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Poupado (OCDE) diz num novo relatório que Portugal precisa “urgentemente” de continuar nas políticas de combate anti-suborno. A informação compilada pela OCDE nota inclusive que, apesar de a Convenção Anti-Suborno ter entrado em vigor há mais de 20 anos, “Portugal ainda não fez uma única pena por suborno vindo do estrangeiro.”

“Os números de deteção continuam baixos e as autoridades portuguesas fecharam prematuramente os casos de suborno estrangeiro sem investigar alegações relevante de forma rigorosa e proativa”, é provável ler no transmitido da OCDE.

O relatório divulgado esta terça-feira pela OCDE refere-se à tempo 4 da avaliação da implementação de medidas da convenção para combate ao suborno. Em relação ao anterior relatório, correspondente à tempo 3, a OCDE considera que “o número de casos encerrados aumentou significativamente”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para contexto, a OCDE cita o relatório Internacional de Transparência de 2020, que já apontava para o “risco de exposição a suborno estrangeiro induzido pelos profundos laços históricos entre Portugal e Angola”. Também não ficam de fora deste enquadramento os “negócios duvidosos” entre entidades portuguesas e a família do vetusto Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

Outrossim, o grupo de trabalho constituído por 44 países, nota que, apesar das “reformas recentes”, Portugal não tem respondido às preocupações sobre “enquadramento permitido”. Já no tema das sanções aplicadas em Portugal neste tema dos subornos, a OCDE refere que “não parecem ser eficazes, proporcionais ou dissuasoras”.

O grupo de trabalho da OCDE continua, assim, a fazer recomendações a Portugal para leste combate ao suborno estrangeiro. É recomendado que haja mais esforços para alertar participantes relevantes do setor público e privado, assim porquê formação adequada para leste tema ou ainda que sejam dados “passos urgentes para prometer que as autoridades investigam” possíveis casos de suborno estrangeiro.

No próximo ano, mais concretamente em outubro, Portugal terá de fazer uma atualização sobre leste tema do combate ao suborno. Em outubro de 2024, precisará de sujeitar um relatório escrito sobre a implementação destas recomendações da OCDE e esforços de combate a subornos.

Leia também:

  • Kherson. O traidor que é a voz da estratégia russa

  • PS a votos. Duas batalhas quentes (e um segurista)

  • Adstrito de Costa arguido não em 1, mas em 2 casos

  • Crónica de um domingo de wrestling em Queluz

Leia também:

  • Refugiados ucranianos deverão custar milhões

  • OCDE: Portugal está mais rigoroso com vistos gold

  • Covid-19. “Novo paradigma” nas políticas de ajuda

  • Cooperação triangular está a aumentar em África 

Leia também:

  • Morreu Pádua, ator que matou Daniella Perez 

  • Russo sobrevive a granadas que lhe caem em cima

  • Levante avião vai ser fornido só com hidrogénio

  • Lula pode vir a Portugal nos próximos dias

Leia também:

  • Costa quer “80% de energias renováveis até 2026”

  • “A melhor arte dramática” no Festival do Seixal

  • Arménio Carlos: Paulo Raimundo é uma “surpresa”

  • CD Mafra-FC Porto com relato na Rádio Observador

Natividade: https://observador.pt/2022/11/08/portugal-precisa-de-avancar-urgentemente-no-combate-a-corrupcao-estrangeira-alerta-ocde/