Práticas da Amazon em tratamento de dados de terceiros sob escrutínio

O regulador dos mercados de capitais dos EUA (SEC, na {sigla} em Inglês) está a investigar as práticas da Amazon quanto ao tratamento de dados dos comerciantes e a sua provável utilização para gerar os seus próprios produtos.

Solicitadas pela AFP a comentar a informação, avançada pelo “Wall Street Journal”, a SEC e a Amazon não responderam.

Em abril de 2020, o Wall Street Journal tinha afirmado, bravo em testemunhas de 20 antigos empregados da Amazon, que o conglomerado das vendas em risco tinha utilizado, sem autorização, os dados dos vendedores que utilizavam a sua plataforma.

A Amazon tinha-se servido destas informações para gerar os seus próprios produtos, na base das tendências constatadas nas vendas realizadas por terceiros na sua plataforma, segundo aquele quotidiano financeiro.

A percentagem dos Assuntos Judiciais da Câmara dos Representantes investiga desde 2019 as práticas da Amazon e ouviu, neste contexto, vários dirigentes do grupo, entre os quais, em 2020, o diretor-geral à quadra e fundador do grupo, Jeff Bezos.

No início de março, os membros desta percentagem parlamentar recomendaram ao secretário da Justiça, Merrick Garland, que abrisse um questionário para estabelecer se a empresa de Seattle, no Estado de Washington, tinha feito obstrução aos trabalhos parlamentares e infringido a legislação.

Acusaram em concreto um quadro da empresa de ter mentido, durante a sua audição sob juramento, em 2019, que afirmou que a Amazon não utilizava qualquer informação proveniente de vendedores terceiros.

Segundo a percentagem parlamentar, se a Amazon refutou estas alegações, por outro lado, não forneceu qualquer suporte documental, apesar das solicitações repetidas dos congressistas.


Manadeira: https://www.jn.pt/mundo/praticas-da-amazon-em-tratamento-de-dados-de-terceiros-sob-escrutinio-14749555.html