Presidente Kagame critica Oeste no 28.º aniversario do genocídio no Ruanda

26878487

O Presidente do Ruanda, Paul Kagame, criticou esta quinta-feira, no 28.º natalício do genocídio contra os tutsis, os “grandes países” que nunca agiram para travar a chacina e agora criticam a falta de liberdade de frase no seu país.

“Alguns desses países são fantásticos, mas (…) não têm zero a ensinar a ninguém porque são secção da história que provocou a morte de mais de um milhão dos nossos concidadãos. Eles são a desculpa”, disse Kagame numa protocolo evocativa do 28.º natalício do início do genocídio.

O Presidente ruandês fez, assim, uma sátira velada às políticas divisionistas das administrações coloniais alemã e belga, que deram origem ao oração de ódio que, ao longo do tempo, também motivou o genocídio de 1994.

Segundo Kagame, os países ocidentais acusam o Ruanda de limitar a liberdade de frase mas negam-lhe espaço na prelo para se proteger das críticas de grupos de direitos humanos, que acusam o seu governo de reduzir a atividade política e de perseguir quem se lhe opõe.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As críticas do Presidente ruandês foram feitas no oração que proferiu no Memorial do Genocídio de Kigali, onde estão enterradas mais de 250.000 das vítimas mortais dos massacres de 1994 e entre a assistência estavam muitos diplomatas estrangeiros.

Perdoamos-lhes. Alguns ainda vivem nas suas casas. Outros estão no governo ou têm empresas”, acrescentou.

Desde o final do século XIX, os governos coloniais teutónico e, posteriormente, belga separaram a população em dois grupos fechados: os tutsis, que representavam 14% da população, e a maioria hutu.

As tensões entre esses dois grupos, que dependendo de cada momento de sua história tiveram mais ou menos privilégios graças à marginalização ou exploração do outro, deram origem a uma guerra social entre o governo pró-hutu e os rebeldes da Frente Patriótica do Ruanda, liderada por Kagame.

Na noite de 6 de abril de 1994, o abate do avião em que viajavam os portanto presidentes do Ruanda, Juvenal Habyarimana, e do Burundi, Cyprien Ntaryamira, ambos hutus, causou a morte de ambos e desencadeou o genocídio contra os tutsis.

Pelo menos 800.000 pessoas morreram em murado de século dias no que é considerado um dos piores genocídios da história humana recente da Humanidade.

Leia também:

  • O que (não) se sabe sobre o ataque à Sonae

  • O massacre de Bucha e Alexandre Guerreiro

  • Crítico pró-Putin defende “desucranianização”

  • “Estamos a dar-lhes uma sova. É o término de Putin”

Leia também:

  • Portugal também alerta Quénia para atentados

  • Quénia reforça segurança depois alertas terroristas

  • Dois elefantes gémeos nasceram no Quénia

  • Quénia. Atacantes matam 6 homens e queimam corpos

Leia também:

  • Vídeo mostra ucranianos a matar militares russos

  • Crematórios móveis. O que se sabe sobre eles?

  • Bálticos deverão ser próximos alvos, diz oligarca

  • Parlamento aprova invitação a Zelensky. PCP contra 

Leia também:

  • As notícias das 7h

  • 10 coisas para fazer no término de semana

  • Ursula Von der Leyen colheita comboio para Kiev

  • As táticas de Zelensky quando fala aos parlamentos

Manadeira: https://observador.pt/2022/04/08/presidente-kagame-critica-ocidente-no-28-o-aniversario-do-genocidio-no-ruanda/