Rússia é um “problema” para Juízo de Segurança da ONU

O gerente da diplomacia norte-americana, Anthony Blinken, reconheceu, esta quarta-feira, que a Rússia é um “problema” para o Juízo de Segurança das Nações Unidas e que levante não será resolvido até que Moscovo mude de atitude.

Blinken falava com jornalistas russos, quando foi questionado sobre o oração proferido na terça-feira pelo Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que criticou a passividade do Juízo de Segurança perante a ofensiva russa e pediu uma “reforma imediata” do órgão.

“Muito, o presidente Zelensky está perceptível de que há um problema com o Juízo de Segurança. Há um problema fundamental quando um de seus membros permanentes, cuja responsabilidade número um é manter a tranquilidade e a segurança internacionais, é o mesmo país que está a violar grosseiramente a tranquilidade e a segurança internacionais com sua agressão à Ucrânia, e isso é a Rússia. Portanto, há um problema bastante fundamental aí”, disse Blinken.

Todavia, segundo o secretário de Estado norte-americano destacou que as Nações Unidas se têm “uno poderosamente em suporte à Ucrânia e contra a agressão russa”, realçando os 141 países votaram em prol de uma solução apresentada na Plenário-Universal das Nações Unidas em março que condenava a invasão russa da Ucrânia.

“Portanto, acho que a própria ONU está a intensificar-se, também no Juízo de Direitos Humanos, onde foi criada uma Percentagem de Interrogatório para investigar os abusos cometidos pela Rússia e pela Ucrânia”, avaliou.

“Mas o próprio Juízo de Segurança tem um problema que é um verdadeiro repto, e a menos que a Rússia atue porquê um membro responsável desse recomendação, o problema permanecerá”, frisou Blinken.

Para tentar prometer que a Rússia seja responsabilizada pelos seus atos, o líder ucraniano pediu na terça-feira uma reforma imediata do Juízo de Segurança das Nações Unidas, que permita ao organização ser “realmente eficiente” e “prometer a tranquilidade”, sublinhando que “é hora de transformar a estrutura das Nações Unidas”.

“Temos de fazer tudo o que está nas nossas mãos para dar às futuras gerações uma ONU eficiente”, disse Zelensky, numa reunião do Juízo de Segurança em que foi abordado o massacre à cidade ucraniana de Bucha.

Zelensky também pediu a exclusão da Rússia do Juízo de Segurança, do qual é um dos cinco membros permanentes e onde tem poder de veto, que tem usado para travar resoluções contrárias às pretensões russas.

Na presença do secretário-geral da ONU, António Guterres, Zelensky pediu “decisões do Juízo de Segurança para a tranquilidade na Ucrânia”.

“Se não sabem porquê tomar essa decisão, podem fazer duas coisas: ou excluir a Rússia porquê agressora e iniciadora da guerra para que ela não bloqueie as decisões relacionadas com a sua própria agressão (…) ou, por obséquio, mostrar que podemos reformar ou mudar (…). Se não houver opção e opção, a próxima opção seria uma rescisão conjunta”, declarou o Presidente ucraniano.


Manadeira: https://www.jn.pt/mundo/russia-e-um-problema-para-conselho-de-seguranca-da-onu-14749246.html