Santa Moradia da Misericórdia de Lisboa com perdas de receita de 1.500 milhões de euros desde 2019

1065773 564d4b8dec3b6bfcdfc2d70be13b55a7

A Santa Moradia da Misericórdia de Lisboa (SCML) teve desde 2019 perdas de receitas nos jogos de 1.500 milhões de euros, situação que a atual gestão espera ultrapassar em 2023, revelou hoje o provedor da instituição.

Edmundo Martinho, provedor da SCML desde 2017, foi ouvido na tarde desta quarta-feira no parlamento na percentagem de Trabalho, Segurança Social e Inclusão sobre a situação financeira da instituição, a requerimento do PSD.

Outros poderes. Para onde vão os milhões do jogo da Santa Moradia?

O pedido de audição dos sociais-democratas baseou-se em declarações públicas de Edmundo Martinho nas quais manifestou “preocupação com a situação financeira da instituição”.

Questionado sobre esta questão, o provedor da SCML começou por expor que a quebra de receitas já se verificava em 2019, fruto da “erosão” dos jogos que são organizados pela instituição.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em 2019 já era previsível que a receita dos jogos sofresse uma erosão, não só pela idade dos jogos porquê pela ingresso em força das plataformas de jogos ‘online’. Estamos muito dependentes das receitas dos jogos“, argumentou.

Edmundo Martinho deu conta que, desde 2019, a SCML teve uma perda global de 1.500 milhões de euros e estimou que só em 2023 é que a instituição será capaz de conseguir receptar receitas com valor pré-pandemia Covid-19.

Nesse sentido, o provedor da SCML referiu que a instituição procura formas alternativas de receitas, nomeadamente projetos de internacionalização dos jogos, seja a nível da operação ou da consultoria.

A esse propósito, Edmundo Martinho deu porquê exemplo a operação de jogo em Moçambique (apostas desportivas), nas cidades brasileiras do Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília (operação/consultoria) e ainda a exploração de jogo ‘online’ nos Países Baixos.

Tudo irá depender das jurisdições de cada país, mas são territórios com enorme potencial. Acreditamos que num espaço de dois ou três anos possam valer um retorno significativo”, apontou, realçando que esse trabalho começou a ser feito ainda antes da pandemia.

O provedor da SCML foi também questionado sobre o património imobiliário da instituição e sobre a compra do Hospital da Cruz Vermelha (HCV).

A propósito do imobiliário, Edmundo Martinho ressalvou que a “esmagadora maioria” dos imóveis da SCML “está afeta à atividade da instituição” e que muitos deles resultam de “doações”.

O património imobiliário resulta sobretudo de doações. É um património que é disperso e poucos imóveis são de grande dimensão”, apontou.

Edmundo Martinho sublinhou que a questão da habitação “é muito relevante” para os responsáveis da SCML e ressalvou que alguns dos imóveis têm sido reencaminhados para dar resposta ao arrendamento jovem.

Nós em Lisboa somos confrontados com muitos pedidos de ajuda para espeque à habitação, no entanto muitos proprietários não estão disponíveis para arrendar morada a certos cidadãos. É uma dificuldade que temos tido”, lamentou.

Relativamente à compra do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, Edmundo Martinho explicou que a teoria era “revitalizar” o equipamento e torná-lo numa “peça fundamental para a resposta da saúde” na capital.

Santa Moradia acusada de ter comprado Hospital da Cruz Vermelha sem ter pedido autorização à Concorrência

Questionado sobre a exigência financeira do HCV, o provedor da SCML indicou que existe uma “preocupação permanente do saneamento das contas” e que é expectável ter a “situação estabilizada” dentro de um ano e meio.

A Santa Moradia da Misericórdia de Lisboa formalizou a compra do Hospital da Cruz Vermelha em dezembro de 2020, detendo 54,9% do capital da sociedade gestora do equipamento de saúde.

Leia também:

  • Os inquisidores em Famalicão

  • Das “rosas” à indemnização: as acusações de Tchizé

  • Moradia Reîa: consumir e dançar no areão da Caparica

  • Droga. Sala de ‘chuto’ no Porto “não resolve zero”

Leia também:

  • Demitiu-se quase toda a direção da Raríssimas

  • Ensinar famílias que acolhem crianças ucranianas

  • Estes são os vencedores dos prémios neurociências

  • Santa Moradia em protesto por atualização de salários

Leia também:

  • Costa atribui incêndios a “problema estrutural”

  • Por risco de queima, Olivais fecha parques infantis

  • Octávio Machado: “Falhou tudo”

  • Braga. Ar condicionado da SS avariado

Leia também:

  • 4h. Interno setentrião e núcleo sob aviso vermelho

  • De Leiria a Ourém, as chamas passam, mas regressam

  • 3h. Gouveia e Melo em Belém? “Logo se vê”

  • Arrábida. De um lado angústia, do outro serenidade

Nascente: https://observador.pt/2022/07/14/santa-casa-da-misericordia-de-lisboa-com-perdas-de-receita-de-1-500-milhoes-de-euros-desde-2019/