Scottie Scheffler a retirar dos galões no Masters

No segundo dia do Masters Tournament, esta sexta-feira, por baixo de ventos fortes, o norte-americano Scottie Scheffler assumiu o comando no Augusta National Golf Club, na Geórgia (EUA), e ficou com uma vantagem de cinco pancadas sobre a concorrência. Tudo graças a uma volta de 67 (-5), para um totalidade de 136 (-8), que lhe permitiu descolar do quarteto dos terceiros classificados rumos ao primeiro lugar. 

Quanto ao pentacampeão Tiger Woods, de revinda às competições em seguida o acidente rodoviário de Fevereiro do ano pretérito, que lhe causou ferimentos graves na perna direita, acrescentou um 74 ao 71 inicial, descendo dos décimos para os 19.ºs, com 145 (+1). Mas se está a nove pancadas do líder, está a somente quatro do quarteto que partilha o segundo lugar. 

Decorrida a primeira metade do primeiro major do ano, o desempenho de Scheffler, de 25 anos, está longe de surpreender. A 28 de Março, ele subiu de 5.º para 1.º no ranking mundial ao vencer pela terceira vez numa série de cinco torneios no PGA Tour, onde nunca tinha vencido antes, embora já fosse considerado o melhor do mundo sem um título no giro. 

“Senti definitivamente que hoje foi uma luta”, disse Scheffler referindo-se às condições climatéricas. “Eu diria que Tiger retira muita atenção de todos nós, o que, acho, é bom para nós. Ele está habituado a estar no núcleo das atenções. Tiger é a agulha para o golfe profissional”, comentou o líder do 86.º Masters, cá a jogar unicamente o seu oitavo do Grand Slam (quatro top-10) e o terceiro Masters (19.º em 2020 e 18.º em 2021). 

Cinco pancadas de vantagem é a maior margem que qualquer líder do Masters nunca teve aos 36 buracos de jogo, tendo sido conseguida por cinco jogadores no pretérito: Harry Cooper, em 1936, foi o único que não conseguiu convertê-la numa vitória. Os restantes quatro venceram mesmo: Herman Kayser (1946), Jack Nickçlaus (1975), Raymond Floyd (1976) e Jordan Spieth (2015). 

Em Augusta National, Scheffler é agora o único jogador com duas voltas nas 60 (tinha feito 69 na quinta-feira), tendo uma vez que mais próximos rivais o nipónico Hideki Matsuyama (72-69), detentor do título; o sul-coreano Sungjae Im (67-74), líder no primeiro dia; o sul-africano Charl Schwartzel (72-69), vencedor em 2011; e o irlandês Shane Lowry (73-68), todos com 141 (-3). 

No sexto lugar, mais um quarteto, constituído por três americanos – Dustin Johnson (69-73), vencedor em 2020, Harold Varner (71-71), Kevin Na (71-71) – e o australiano Cameron Smith (68-74), segundo classificado em seguida a primeira volta.

Na segunda volta, destaque ainda para as 67 de Justin Thomas, menos 9 do que havia no primeiro dia (76), a valer uma subida de 60 posições rumo ao 10.º posto, empatado com os compatriotas Collin Morikawa (73-70), Will Zalatoris (71-72), vice-campeão em 2021, o canadiano Corey Conners (70-73), o inglês Danny Willett (69-74) e o chileno Joaquin Niemann (69-74), que jogou as duas primeiras voltas no mesmo grupo de Tiger Woods.

Entretanto, foi feito um cut para os 50 primeiros e empatados entre os 90 jogadores à partida, que se fixou em 148 (+4) e deixou pelo caminho nomes uma vez que Jordan Spieth (74-76), Brooks Koepka (75-75) e Bryson DeChambeau (76-80).

 

 

Veja mais em www.golftattoo.com

Manadeira: https://www.publico.pt/2022/04/09/desporto/noticia/scottie-scheffler-puxar-galoes-masters-2001951